20 de jun de 2012

Experiência em produção audiovisual, mídia e educação na FAC/UnB: jornalismo e formação multidisciplina

Por Alzimar Ramalho

Trazemos para o Blog SOS Interativo, um relato de experiência muito produtiva e que aponta horizontes promissores. Como parte do estágio de pós-doutoramento, no segundo semestre letivo de 2011 assumi a turma B da disciplina “Introdução ao Jornalismo” na Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, sob a supervisão da professora doutora Dione Moura. Pelo fato de ser uma cadeira que dispensa pré-requisito, além dos estudantes regularmente matriculados no curso de Jornalismo, que compõem a Turma A, recebemos estudantes de outros cursos, em atendimento ao regime didático-científico da instituição que, em seu artigo 89, determina que “o aluno de curso regular de graduação compõe o seu programa de estudos com disciplinas do Módulo Integrante e do Módulo Livre”, e o parágrafo 3º define: “As disciplinas do Módulo Livre são de livre escolha do aluno entre as disciplinas oferecidas pela Universidade e correspondem a 24 (vinte e quatro) créditos, pelo menos, para os cursos regulares de duração plena.” No presente artigo, pretendemos destacar também a inclusão da interface mídia-educação (BELLONI, 2005) no processo de ensino-aprendizagem, em diálogo com outras experiências que aliam mídia, educação e cidadania no contexto da Faculdade de Comunicação da UnB (MOURA et. alli.,2011).

Dos 31 alunos matriculados na Turma B (60 horas) apenas dois estavam matriculados em Jornalismo. Das outras áreas de Comunicação, eram dois de Publicidade e Propaganda, um de Audiovisual, cinco de Comunicação Organizacional e os demais oriundos dos cursos de Odontologia, Psicologia, Ciências Contábeis, Biblioteconomia, Filosofia, Letras, História, Pedagogia, Nutrição e Ciências da Computação.

Tal diversidade provocou o primeiro questionamento: por que escolheram o jornalismo, dentre os demais cursos oferecidos na UnB, para o cumprimento de créditos do módulo livre? As respostas surgiram já no primeiro contato, no momento das apresentações, e foram as mais variadas e inusitadas, como: 1) interesse por games e cultura pop, 2) escolha do jornalismo como primeira opção (sem ter alcançado índice no vestibular), 3) interesse pelas técnicas profissionais, a proximidade física da FAC com o local das duas aulas posteriores, 4) convite do colega que não queria frequentar sozinho, 5) falta de alternativa em outras cadeiras em função do horário disponível no curso de origem, 6) opção pelas disciplinas introdutórias no cumprimento dos créditos de módulo livre, 6) estar cursando jornalismo em outra instituição privada, 7) experiência anterior em rádio e construção de site e 8) interesse por fotografia.