20 de nov de 2010

Análise da mídia nas escolas

Por Rodrigues Alves

No último debate promovido pelo SOS Imprensa (no dia 16/11), os alunos presentes tiveram a oportunidade de discutir sobre a necessidade da criação de uma disciplina que analise criticamente as atividades da mídia nas escolas públicas e privadas em todo o país.

Existe um projeto de lei, de autoria do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) que inclui a disciplina "Leitura e Educação para as Mídias" no currículos dos ensinos fundamental e médio, a partir do sexto ano.

Pelo projeto, os alunos devem refletir sobre o que é publicado pelos meios de comunicação, de acordo com critérios éticos, morais e, principalmente, constitucionais. Além disso, o PL sugere que, nas escolas, os alunos, orientados pelos professores, tenham a possiblidade de produzirem conteúdos para serem divulgados em plataformas midiáticas (jornais, blogs, documentários etc.).

A tramitação do projeto de lei é abordada na reportagem produzida por Geórgia Moraes, da Rádio Câmara. Um dos coordenadores do SOS Imprensa, o professor da Faculdade de Comunicação da UnB, Luiz Martins, argumenta, na matéria, que é preciso conscientizar as pessoas sobre o papel da mídia na sociedade e também como exigir seus direitos de cidadãos.

O tema também foi discutido na I Conferência Nacional da Comunicação (Confecom), realizada em dezembro do ano passado. Uma das resoluções prioritárias aprovadas por setores do governo e da sociedade civil é justamente:

"Criar políticas públicas que visem a capacitação da sociedade envolvendo os debates teóricos, político e técnico sobre Comunicação, incluindo leitura crítica da mídia e o debate estético, proporcionando orientações à sociedade para compreensão e fiscalização de questões atinentes às comunicações e seus reflexos na produção de subjetividades, com destaque para as decorrências sociais da propaganda e da publicidade."

Por fim, como o projeto de lei sugere a reformulação dos currículos do curso de comunicação social para a inclusao de um curso de licenciatura (ou de disciplinas de licenciatura), os presentes ao debate comentaram a criação do curso de Educomunicação pela Escola de Comunicação da USP. O curso tem início em fevereio do ano que vem (o vestibular para ingresso teve concorrência de 4,27 candidatos por vaga). É interessante também se analisar a necessidade desse novo tipo de profissional: o educomunicador (arquivo em .pdf).

12 de nov de 2010

Jovens aprendem técnicas de jornalismo em oficina da FAC

Notícias foram produzidas por estudantes de diferentes áreas do conhecimento durante evento
Amazonir Fulni-ô - Da Secretaria de Comunicação da UnB

Estudantes de diversas áreas do conhecimento, por exemplo, de Arquivologia, de Pedagogia, de Letras e da própria comunicação aprenderam técnicas de como produzir notícias durante a oficina Como se faz um jornal diário, realizada pelo estudante de jornalismo e membro do projeto S.O.S imprensa Wemerson Fraga, na tarde desta quinta-feira, 11 de novembro. As vinte vagas ofertadas foram preenchidas. “A oficina proporciona uma visão introdutória de como fazer textos jornalísticos”, explicou Wemerson.
O estudante de Letras Fernando Henrique falou da importância de ter participado da oficina para sua escolha profissional. Segundo ele, o gosto pelo curso atual existe, mas o desejo de fazer jornalismo despertou durante o evento. “Já me interessava pela área de comunicação e em especial pela mídia impressa, com a oficina o meu interesse aumentou ainda mais”. Henrique afirmou que ainda vai fazer o vestibular para comunicação.
Depois da explicação da estrutura de uma matéria, e do o que é um lead, uma retranca, um título e subtítulo, e valor notícia, entre outros, o ministrador da oficina aplicou um exercício para que os participantes pudessem colocar em prática o que aprenderam. A proposta foi que os estudantes saíssem da sala e produzissem um lead com base nas informações adquiridas durante a oficina. O resultado foi positivo, porque conseguiram produzir leads interessantes e mostraram que aprenderam o que foi proposto.
A oficina é a terceira das quatro realizadas durante a Semana Universitária, pelo projeto S.O.S Imprensa, coordenado pelos professores da FAC Fernando Paulino e Luiz Martins. O projeto é ligado a disciplina Tópicos Especiais em Comunicação 5 e produz um informativo impresso mensal, um blog com atualização semanal e um programa de TV intitulado S.O.S Imprensa que é veiculado na TV Cidade Livre, canal 8 e na UnB TV, canal 6.
Para a estudante de Jornalismo Ramilla Rodrigues, a oficina serviu também para desmistificar algumas afirmações que existe sobre o jornalismo, por exemplo, o de que qualquer pessoa pode escrever matéria porque é fácil. “Precisa-se ter noção e técnicas para escrever texto jornalístico”, disse. “E aprender também alguns valores éticos, como o de ouvir os dois lados da história na apuração”.

8 de nov de 2010

SOS Imprensa na X Semana de Extensão da UnB

De 8 a 12 de novembro, acontece na Universidade de Brasília a X Semana de Extensão, evento que busca divulgar e valorizar a Extensão Universitária.
O SOS Imprensa, como Projeto de Extensão de Ação Contínua, estará participando da programação da SEMEX, promovendo a partir de amanhã quatro oficinas com temas diversos, englobando todas as habilitações da Comunicação.
Confira a seguir os horários das oficinas:

Terça (09/11) 14h – 16h
Edição de Imagens em Publicidade: a questão ética

Quarta (10/11) 14h – 16h
TV Aberta: opiniões e debates

Quinta (11/11) 14h – 16h
Como se Faz um Jornal Diário

Sexta (12/11) 14h – 16h
Comunicação Pública

*Todas as oficinas serão realizadas no Auditório da FAC (Subsolo)